Desde o anúncio da pandemia e posteriormente do pacote de salvação econômica feito pelo presidente Donald Trump nos EUA, a comunidade imigrante indocumentada, inclusive a brasileira, sabia que passaria por momentos difíceis no território americano. Trilhões de dólares anunciados para ajuda de cidadãos e empresas nos EUA, com um único requisito para recebimento: estar dentro da legalidade imigratória.

Embora dados recentes divulgados pelo jornal New York Times mostrem que 75% da mão de obra no setor agrícola americano seja de trabalhadores imigrantes indocumentados, as diretrizes do governo Trump para concessão de ajuda financeira a esta parcela da sociedade, que soma segundo números recentes 18 milhões de pessoas, foram claras: tolerância zero para indocumentados, inclusive para enviar ajuda financeira.

Nesta semana em que o décimo quinto avião com imigrantes brasileiros deportados dos Estados Unidos aterrissou no Brasil, centenas de outros também brasileiros legalmente residindo no país norte americano – portadores do Green Card – recebiam por correio ou depósito em conta os cheques com a ajuda anunciada pelo presidente americano. Um claro paradoxo que prova a legalidade imigratória como fator sine qua non para imigrantes sobreviver nos EUA, não apenas durante esta pandemia.

Pouco mais de três meses após o isolamento social e fechamento do comércio imposto pelas cidades americanas, os indocumentados seguem na linha de frente do desamparo das políticas públicas do governo. Situação que empurrou aos estados a garantia de ajuda mínima à esta comunidade imigrante não autorizada a viver nos EUA.

O primeiro esforço de financiamento estatal para indocumentados já teve início na Califórnia. Na última segunda-feira (18/5), imigrantes indocumentados afetados pela pandemia começaram a receber auxílio financeiro. O governador do estado Gavin Newsom anunciou em abril o Disaster Relief Fund – fundo de auxílio a desastres de coronavírus – no valor de $125 milhões para apoiar imigrantes indocumentados que não eram elegíveis para verificações de estímulos federais e benefícios de desemprego devido ao seu status de imigração.

O fundo combina $75 milhões em doações estaduais com $50 milhões de organizações privadas e espera-se que beneficie cerca de 150.000 adultos sem documentos, segundo o site do estado. Cerca de 150 mil imigrantes indocumentados vão receber o auxílio. O benefício único fornecerá $500 em suporte por adulto, com o limite de $1.000 por família.

Enquanto isso, a gestão de Donald Trump no Departamento de Cidadania e Imigração dos EUA busca um resgate de emergência de $1.2 milhão no Congresso dos EUA. A justificativa do pedido destaca que a soma é para compensar a queda de receitas devido à pandemia. A agência governamental dos EUA responsável pela emissão de vistos e pedidos de cidadania é financiada pelas tarifas cobradas aos imigrantes que pretendem viver ou trabalhar no país. Desde março, com o fechamento das fronteiras com o Canadá e o México e a redução dos fluxos migratórios, houve uma queda drástica nos pedidos, afirmou o órgão.

Esse cenário nos mostra que a realidade imigratória no país norte-americano ficará, nos próximos anos, mais cara e menos tolerante com indocumentados. Um fator que precisa ser considerado, principalmente por brasileiros, antes de deixar o país rumo ao ‘sonho americano’. O planejamento imigratório, antes considerado opcional por muitos, agora passará a ser fundamental para se evitar o naufrágio da iniciativa ou o abandono à margem da sociedade americana.

A legalidade do processo imigratório pautará a vida que o imigrante gostará de viver nos EUA. É preciso que o interessado em viver na América considere este passo como um investimento e não como gasto que pode ser evitado com entradas paralelas e ilegais pelas fronteiras do país. Uma decisão que pode, inclusive, salvar a sua vida e de sua família, enquanto o país se recupera da crise econômica e alto desemprego.

O endurecimento das leis de imigração dos EUA, o acordo de deportação com o Brasil e as mudanças de procedimentos que dificultam o conhecido “cai-cai” (ida pela fronteira) fizeram com que o número de brasileiros sem visto barrados no país norte-americano saltasse de 1.500, no ano fiscal de 2018, para 17.9 mil em 2019, conforme dados do Serviço de Alfândegas e Proteção das Fronteiras dos Estados Unidos. Números que não podem ser desconsiderados por aqueles que planejam arriscar-se.

Será também comum, principalmente nos países latinos, que a crise econômica, como em outras ocasiões, gere o sentimento de migração a qualquer preço ’em busca de uma vida melhor’. Mas os fatos de hoje nos mostram que, se não de forma inteligente e planejada, este futuro será ainda mais incerto e mais perigoso do que se divulga clandestinamente.

Rodrigo Lins é mestre em Comunicação, Especialista em linguagem audiovisual, professor universitário, jornalista e escritor, reside legalmente nos Estados Unidos e é autor do livro “Internacionalize-se: Parâmetros para levar a carreira profissional aos EUA legalmente” lançado em 2019. Dirige a agência de Comunicação, Marketing e Imprensa multinacional Onevox Creative Solutions com sede nos EUA.