A última edição do relatório “O mercado latino-americano de seguros”, produzido pelo Serviço de Estudos da MAPFRE e publicado pela Fundación MAPFRE, aponta que apesar da evolução positiva do setor de 2008 a 2018, ainda há um longo caminho a percorrer para alcançar um nível de segurança considerado economicamente necessário e benéfico para a sociedade. Esta análise foi feita em 19 países, incluindo o Brasil.

No ano passado, o volume de prêmios na região totalizou 150,6 bilhões de dólares, 3% do mercado global – uma queda de 5,5%, frente ao crescimento de 8,6% de 2017. A contratação de seguros de Vida representou 44,6% desse montante, queda de 7,2% em dólares, enquanto a de Não Vida (55,4% dos prêmios totais da região) experimentou redução de 4%. Esses retrocessos estão relacionados com depreciações do câmbio (em especial, o peso argentino e o real).

Quando o mercado segurador é medido nas moedas locais, uma vez corrigido o efeito da inflação, o comportamento se mostra positivo, principalmente no México, na Colômbia, no Peru e no Chile. O Brasil, entretanto, é um dos destaques negativos, com queda em Vida e Não Vida, com uma diminuição relevante em Automóveis (- 7,4%).

Na América Latina, o índice de inserção (prêmios/PIB) foi de 2,9% em 2018, igual ao ano anterior. O número também se manteve estável em Vida (1,3%) e Não Vida (1,6%). Ao longo da década 2008-2018, a inserção total na região cresceu 24,4%.

O indicador de densidade (prêmios per capita) ficou em 246,6 dólares, 6,4% abaixo do registrado em 2017, rompendo a série de dois anos de aumentos consecutivos, novamente resultado da depreciação de algumas moedas locais (real e peso argentino) frente ao dólar e também, de forma mais estrutural, da queda do mercado de seguros de Vida no Brasil.

A Abertura de Proteção do Seguro para o mercado latino-americano ficou em 254,3 bilhões de dólares no ano passado, 1,9% menor que a estimada em 2017. Desta forma, o mercado potencial de seguros na América Latina em 2018 (soma do mercado de seguros real e o potencial de seguros) foi de 404,9 bilhões de dólares, 2,7 vezes o mercado atual na região.

Durante o período 2008-2018, o mercado de seguros da região registrou uma taxa de crescimento anual média (em dólares) de 4%, integrada por uma alta de 6,2% em Vida e de 2,6% em Não Vida. Se for mantida essa dinâmica ao longo da próxima década, a taxa de crescimento será insuficiente (- 6,4 p.p.) para cobrir a abertura de seguros determinada em 2018.

O relatório inclui uma nova estimativa do Índice de Evolução do Mercado (IEM), que aponta tendência e maturidade do setor de seguros. Esse indicador mostra avanços anuais sustentados ao longo da última década, embora com um leve retrocesso em 2014 e novamente em 2018.

“Muitos fatores podem contribuir para ampliar a penetração do seguro, além do caráter econômico, como ter um marco regulatório eficiente, o que já aconteceu no Brasil, e a promoção da educação financeira, um trabalho que realizamos por meio da Fundación MAPFRE”, avalia afirma Fernando Pérez-Serrabona, CEO da MAPFRE Regional Brasil e representante da instituição no país.

“Além disso, a iniciativa privada também pode contribuir com a difusão do conhecimento do seguro e a melhoria de sua percepção por parte da sociedade, como também viemos fazendo há anos, por meio da publicação de estudos e pesquisas como este.” discorre Manuel Aguilera, diretor geral de Serviços de Estudos da MAPFRE.

Mercado segurador no Brasil

No ano passado, o mercado brasileiro de seguros teve queda nominal de 0,9% e real de 4,4%, chegando a 210.319 bilhões de reais (57.567 bilhões de dólares), impactado pelo momento econômico. Esse comportamento é devido à queda dos prêmios do segmento de Vida.

Os produtos VGBL reduziram 8,5% nominalmente, após a moderação registrada em 2017, devido à queda dos juros, bem como à forte apreciação e atratividade dos ativos financeiros no mercado de capitais. Já os seguros de Vida individual e coletivo, juntos, tiveram aumento nominal de 11,3% e real de 7,4%. Ao todo, os prêmios do segmento de Vida cresceram 129.975 bilhões de reais (35.576 bilhões de dólares), redução nominal de 4,2% e real de 7,6% real em relação a 2017.

No ano passado, o volume de prêmios dos seguros Não Vida em 2018 foi de 80.344 bilhões de reais (21.991 bilhões de dólares), um aumento nominal de 5,1% (superior aos 2,3% do ano anterior) e real de 1,4% (-1,1% em 2017). Em valores absolutos, os segmentos de Automóveis e Incêndios foram os que mais contribuíram para o crescimento, e em termos relativos deve-se adicionar Transportes, com alta de 15,2%.

Se fossem consideradas as contribuições de Previdência Privada, seguros de Saúde e Capitalização, as receitas totais do mercado segurador em 2018 seriam de 287.783 bilhões de reais (78.770 bilhões de dólares), com um leve aumento nominal de 0,5% em relação ao ano anterior.

Em 2018, as provisões técnicas totalizaram 965.974 bilhões de reais (249.316 bilhões de dólares), com o negócio de Vida representando aproximadamente 92,1% do total, caso seja considerado o negócio de previdência.

A taxa combinada total do setor brasileiro de seguros melhorou 1,9 p.p. em 2018 em relação ao ano anterior (91,8% frente a 93,7% em 2017), devido à melhora da taxa de sinistralidade em 2,6 p.p..

Em linhas gerais, os indicadores de rentabilidade do mercado segurador nacional melhoraram em 2018. O resultado líquido das empresas do setor aumentou 8,7% em 2018 – 18.818 bilhões de reais (5.151 bilhões de dólares), com um aporte positivo dos investimentos.

O índice de inserção foi de 3,1%, superior em 0,9 p.p. ao de 2008 e menor em 0,1 p.p. em relação a 2017, influenciado pelo menor valor dos prêmios de Vida. Por outro lado, o nível de densidade do seguro foi de 1.004,1 reais (274,8 dólares), 1,6% menor que em 2017. Finalmente, o nível de aprofundamento, em 2018, foi posicionado em 61,8%, 12,5 p.p. acima do observado em 2008 na América Latina), porém com uma queda de 2,2 pp no último ano.

A Estimativa da Abertura de Proteção do Seguro (BPS), em 2018, ficou em 314,5 bilhões de reais (86.082 bilhões de dólares), equivalente a 1,5 vezes o mercado de seguros reais no Brasil no fim do ano passado, sendo que 51,6% desse valor correspondeu a seguros de Vida (162,4 bilhões de reais); e 48,4%, de Não Vida (152,1 bilhões de reais). De 2008 a 2018 a participação dos seguros de Vida caiu quase 11 p.p.

O mercado potencial de seguros no Brasil em 2018 (a soma do mercado real e da BPS) foi estimado em 524,8 bilhões de reais (143,649 bilhões de dólares); ou seja, 2,5 vezes o mercado de seguro total.

O IEM mostra uma tendência geral positiva na década pesquisada, que faz inclusive com que o indicador seja positivamente divergente da tendência média dos mercados latino-americanos. Contudo, entre 2017 e 2018 foi observado um recuo.

Ranking total

Em 2018, 122 entidades seguradoras atuavam no país, duas a mais que em 2017. O mercado nacional apresenta uma tendência ascendente nos níveis de concentração.

Acesse o estudo completo em português: www.fundacionmapfre.org/documentacion/publico/i18n/catalogo_imagenes/grupo.cmd?path=1103784

Sobre a Fundación MAPFRE

Com sede na Espanha e atuação em 33 países, a Fundación MAPFRE é uma instituição sem fins lucrativos, que promove e investe em pesquisas, estudos e atividades de interesse geral da população. Atua para disseminar valores, promover o acesso à informação e à cultura, além de contribuir com o bem-estar da sociedade e com o fomento da inovação social. No Brasil, apoia e desenvolve iniciativas nas áreas de Cultura, Prevenção e Segurança Viária, Seguro e Previdência Social, Promoção da Saúde e Ação Social. Em 2018, suas iniciativas impactaram cerca de 2 milhões de brasileiros.