Começar uma vida nova ou um negócio novo já é desafiador no próprio país, no exterior é ainda mais complexo. Não  importa o tamanho ou a natureza do negócio, a chave para encarar o desafio é a mesma: preparo. Pisar num mundo com o qual não se está familiarizado, pede  ainda mais cautela, análise detalhada e senso crítico para identificar as possibilidades que se apresentam. O mesmo que dizer, reconhecer e separar a realidade da idealização.

Mesmo o candidato informado, que sabe como funciona o novo mercado onde se propõe a atuar, pode se surpreender com regras e procedimentos dos quais não estava inteirado. Um terreno desconhecido é como uma areia movediça, se não há o devido preparo para ingressar nele. Uma boa dose de informação, planejamento e um suporte profissional técnico, são ferramentas básicas e essenciais para quem pretende estabelecer um negócio do outro lado.

Hoje  o empresário conta com consultores de negócios e profissionais especializados bem antenados com o mercado, para dar suporte necessário à nova empreitada. Há poucas décadas o “coaching”  era uma técnica desconhecida. Agora é reconhecidamente uma grande aliada do mundo dos negócios. Muitas empresas costumam promover seminários e treinamentos com os chamados “coaches” para  capacitar, e dar mais segurança aos seus diretores e funcionários de linha de frente, na hora de tomar decisões.

Também chamado de coordenador, facilitador ou mentor, o “coach” é o treinador que tem a função de incentivar e preparar alguém para realizar uma meta ou tarefa. No âmbito empresarial o “coaching” de negócios é voltado para o contexto organizacional e tem como finalidade auxiliar empresários e empreendedores a alavancarem seus negócios, a partir do desenvolvimento do empreendedorismo, das estratégias e dos planos de negócios eficientes. Semelhante ao  que faz o treinador de um time, porém de forma individual. No cenário internacional, o “coaching” é uma grande ajuda no preparo do candidato, à medida que auxiliará o desempenho do negócio, focando no desenvolvimento pessoal do empreendedor.

Na mesma linha de preparo, mas com o foco no todo, o consultor de negócios é também de grande importância para o candidato entrar em um novo mercado, apto para os desafios que encontrará pela frente. Ele é um profissional capacitado a realizar um diagnóstico, desenvolver um planejamento e formular soluções em relação a algum assunto ou especialidade. Desta forma difere do “coach”,  porque trabalha junto à uma empresa, usando seu conhecimento específico sobre o segmento para o desenvolvimento dos negócios que a empresa está empreendendo no momento.

Em linhas gerais a assessoria de ambos profissionais pode trazer, entre outros benefícios, a proposta de maximizar os resultados e minimizar os riscos das decisões. Um suporte valioso no preparo do empresário disposto a encarar novos desafios.

DICAS DE QUEM SABE

Os riscos existem, mas há como identificá-los, porém considerando sempre que “qualquer mercado diferente, daquele onde o empresário se encontra, é novo, e ele encontrará algumas barreiras básicas como o idioma, a cultura, legislação e concorrência”, previne Rafael Salles, consultor de negócios da TurnKey International Management nos EUA.

Com a experiência internacional de quem já morou em mais de 5 países, além do Brasil, o consultor alerta que “ o principal risco é a falta ou o pouco conhecimento do empresário sobre o mercado que ele deseja investir. Outro fator preponderante é o excesso de confiança.

Muitos empresários acreditam que o sucesso de seus negócios em outro país, garante o sucesso nos EUA”, adverte ele. “Para conhecer as características de cada investimento, é necessário fazer um estudo específico e um planejamento levando em conta o perfil próprio de cada negócio”, recomenda.

Michael Lupo, há sete anos mentor de negócios e voluntário do SCORE – Service Corps of Retired Executives faz uma recomendação. “O empresário estrangeiro que quer fincar o pé em outro país não foge à regra inicial tão básica quanto simples: aprender a linguagem do negócio”. Com sua vasta experiência de uma carreira nos mais variados segmentos do mercado, Lupo tem ainda duas importantes dicas para o futuro empresário pensar, antes de estabelecer o próprio negócio. “Familiarize-se com a cultura de negócios local e procure conhecer, até experimentando antes, a atividade do ramo escolhido. Trabalhe na área primeiro, não só para conhecer como funciona, como também para ter certeza que é nela mesmo que quer investir tempo e dinheiro”, aconselha.

A SCORE é uma organização americana sem fins lucrativos e a maior rede de mentores de negócios do país, dedicada a educar e orientar pequenos empresários e suas propostas de negócios. A organização tem o suporte da SBA-US Small Business Administration e oferece um aconselhamento gratuito e valioso que vem da experiência de empresários e executivos voluntários, aposentados ou que ainda estão na ativa. A organização tem mais de 50 anos e opera com uma média de 10.000 voluntários em mais de 300 escritórios em todas as localidades dos EUA. A SCORE promove também seminários gratuitos ou a custos baixos em seu calendário de atividades.

SERVIÇO:

Para saber mais sobre a instituição acesse
http://www.scoresouthflorida.net
Sobre o consultor de negócios visite: www.turnkeymgt.com

Next articleOffice&Co. abre as portas para empresários brasileiros
Heliana de Souza DeWeese é jornalista, Relações Públicas e tradutora, com especialização em projetos de comunicação. Com experiência profissional em vários veículos no interior de São Paulo e em agências de publicidade, trabalhou na área de jornalismo impresso e televisivo, foi colunista, repórter e chefe de reportagem. Na área de assessoria de imprensa, comunicação e marketing empresarial foi assistente para a consultoria de negócios internacionais na Flórida, e no Brasil atuou junto a empresas de diversos segmentos do atacado e varejo. Desenvolveu conceitos e conteúdos para websites, revistas segmentadas e projetos de novos produtos. Como profissional bilíngue, traduziu planos de negócios, conteúdos de marketing e material informativo para revistas segmentadas entre outras publicações.