O Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) abriu caminhos para expandir oportunidades de exportação e diversificação de mercados para produtos agrícolas e alimentícios americanos em 2018, e isto deu bons resultados com as vendas globais permanecendo robustas apesar dos numerosos desafios na arena de comércio internacional.

“Foram registrados muitos altos e baixos este ano, mas as exportações agrícolas americanas permaneceram fortes, em grande parte graças aos esforços do Serviço Agrícola Externo (FAS) do USDA”, comentou Ted McKinney, sub-secretário de Comércio e Assuntos Agrícolas. “Sob a liderança do administrador Ken Isley, que juntou-se ao órgão em março, o FAS tem sido importante aos esforços da Administração para promover um comércio livre, justo e recíproco.”

Um dos destaques do ano foi a negociação bem sucedida do Acordo EUA-México-Canadá (USMCA) através do qual os Estados Unidos fortaleceu seu relacionamento comercial com seus vizinhos norte-americanos.

“Dezenas de especialistas do FAS trabalharam lado a lado com nossos parceiros no Escritório do Representante Comercial dos EUA para assegurar os melhores negócios agrícolas americanos, enfim assegurando acesso preferencial para as exportações americanas e solidificando compromissos para normas adequadas e baseadas em ciências”, afirmou McKinney.

Além disso, os esforços do USDA para derrubar barreiras e buscar oportunidades de exportação resultaram em acesso a novos ou expandidos mercados para diversos produtos agrícolas em 2018. Isto inclui laticínios e aves para o Canadá sob a USMCA, assim como cordeiros e cabritos para o Japão, carne e porcos para Argentina, aves para Índia e Namíbia, cordeiros para El Salvador, carne e aves para Marrocos, ovos para África do Sul e laticínios para a Turquia.

Os funcionários do FAS em todo mundo também prestaram assistência aos exportadores americanos ao liberar centenas de embarques que estavam retidos em portos estrangeiros. A intervenção da USDA assegurou que mais de $77 milhões de produtos americanos perecíveis chegassem com segurança aos seus destinos finais. Entre eles estavam carne para Bulgária, cerejas para Taiwan, cranberries para China, lagostas para Emirados Árabes Unidos e lulas para o Peru.

Ted McKinney, sub-secretário de Comércio e Assuntos Agrícolas
Ted McKinney, sub-secretário de Comércio e Assuntos Agrícolas

“Além dessa política de negócios de sucesso, continuamos a concentrar nossos esforços na promoção comercial, cultivando relacionamentos com clientes externos e ajudando empresas americanas a colocar seus produtos em novos mercados”, disse McKinney.

Missões comerciais

Como parte deste esforço, o FAS patrocinou seis missões comerciais agrícolas em 2018, possibilitando a mais de 200 companhias americanas e organizações para realizar 3.000 encontros individuais com compradores estrangeiros, gerando mais de $140 milhões nas vendas projetadas de 12 meses.

Paralelamente, USDA organizou participação de exportadores em 19 trade shows em todo mundo, onde mais de 900 companhias americanas apresentaram 4.500 novos produtos a potenciais clientes e reportou $296 milhões em vendas locais e $2 bilhões em vendas projetadas de 12 meses.

“Da América Central ao Sudeste da Ásia, da África Sub-Saariana tem sido gratificando testemunhar a receptividade mundial aos produtos agrícolas e alimentícios americanos. Clientes de todo mundo têm verdadeira afinidade com a marca americana e reconhecem imediatamente a segurança e a qualidade de nossos produtos”, revelou McKinney.

Para fortalecer no futuro àqueles esforços de promoção comercial, FAS prorrogou o Programa de Promoção Comercial Agrícola, que fornecerá $200 milhões para mitigar os efeitos de barreiras comerciais de outros países ao auxiliar os exportadores agrícolas a desenvolver novos mercados. Um total de 71 organizações solicitaram participar do novo programa, submetendo pedidos que totalizam mais de $600 milhões.

“Além de buscar oportunidades de curto prazo, continuamos a desenvolver aquilo que chamamos de construção da capacidade comercial. Isto é o que chamamos de visão de longo prazo – mirando à frente as vias para onde os mercados podem estar no futuro, e depois ligando líderes àqueles mercados que podem ajudar a desenvolver políticas sólidas e fortalecer setores agrícolas”, notou McKinney.

Sob o guarda-chuva de construção da capacidade comercial, o trânsito internacional do FAS e programas de intercâmbio possibilitaram a 569 pesquisadores estrangeiros, parlamentares, e especialistas agrícolas de 56 países de rendas baixa e média para trabalhar junto com mentores e formadores americanos este ano, adquirindo conhecimento e capacidade para ajudar a construir os setores agrícolas de seus países e aumentar sua habilidade para atuar no mercado global.

FAS ajudou ainda diversos países em desenvolvimento ao fortalecer seus sistemas agrícolas, concentrando-se em temas como controle de doenças animais, coleta de dados agrícolas, e reportando o desenvolvimento de padrões sanitários e fitossanitários.

“Gostamos de dizer que não estamos deixando pedra sobre pedra em nossos esforços em busca de novas oportunidades de mercados e melhoria de nossas prospecções de exportações nos mercados existentes”, afirmou McKinney. “A esse respeito, estamos esperançosos em obter grandes coisas em 2019, incluindo a busca de laços comerciais ainda mais fortes com parceiros como Japão e Reino Unido, gerando novos relacionamentos comerciais através de sete missões comerciais agrícolas, e mais à frente obtendo sucesso ao derrubar tanto barreiras tarifárias como não tarifárias ao comércio.”